Revirando o Baú: Desenhos II

baú

Então, finalmente, nesse post eu havia começado a apresentar alguns dos melhores desenhos que já assisti. Alguns eu ainda assisto. Embora não estejam tão bons. Mas terminando a interminável lista, segue abaixo alguns dos motivos pelo qual, por um breve espaço de tempo, fui considerada otaku/otome, nerd e anti-social – esse ultimo ainda prevalece 😦 .

Digimon (de 1999 a 2000)*

DIGIMON

Digimon, abreviatura para “Digital Monsters”, é o nome dado às diversas formas de vida que vivem em uma dimensão paralela, criada a partir de computadores da Terra. Esse lugar é conhecido como DigiMundo. A história fala do contato entre alguns humanos e digimons. O humano torna-se digiescolhido quando entra em contato, espiritualmente, com um Digimon  Todos os digimons evoluem naturalmente, no entanto, os treinados por humanos, ou digiescolhidos, podem ter sua evolução forçada, ocorrendo temporariamente, de modo que após a luta, o Digimon retorne ao seu estágio anterior. A evolução dos poderes dos digimons é ligada aos sentimentos dos digiescolhidos, de maneira que foram dados aos digiescolhidos aparelhos chamados Digivices, além de brasões, com as representações das virtudes típicas de cada pessoa, com o objetivo de facilitar a evolução de seus digimons.

Beyblade (2001)*

BEYBLADE

A temporada marca a estreia de seus personagens principais e suas tentativas de tornarem-se campeões. Passando pelo JapãoChinaEstados Unidos,Europa e Rússia, os Bladebreakers, formados por Tyson, Kai, Ray, Max e Kenny (o amigo nerd que só ajuda e não luta) vão ganhando posições no torneio mundial, vencendo equipes fortes como White Tigers, Majestycs e Demolition Boys. Esta ultima, que os Bladebreakers enfrentam, representam uma ameaça, pois, liderados por Bóris, antigo treinador de Kai, e Voltaire, seu avô, planejam dominar o mundo. Eles levam crianças para o seu covil sua abadia em Moscovo, e lá fazem uma lavagem cerebral, fazendo-as acreditarem que a vitória é tudo.

Yu Gi Oh! (de 2000 a 2004)

YU GI OH

Minha paixão! Esse anime narra a história de Yugi, um estudante do colegial abaixo, muito abaixo, da média que ganhou de seus avô peças fragmentadas de um antigo artefato egípcio, conhecido como Enigma do Milênio. Quando consegue, enfim, remontar o quebra-cabeça, ele é possuído por uma outra personalidade que mais tarde é revelado ser o espírito de um faraó de 3.000 (ou 5.000 anos de idade no anime inglês), que perdeu sua memória. Conforme a história avança, os dois, o faraó e o pequeno Yugi, juntamente aos seus amigos, tentam encontrar o segredo das memórias perdidas do Faraó. Recentemente, li algo sobre a versão verdadeira de Yu Gi Oh! nesse site. Super ansiosa para saber como realmente é o anime.

Hamtaro (de 2000 a 2006)

HAMTARO

Hamtaro é o hamster de estimação de Ryoko, Laura na versão brasileira. O anime narra a vida do hamster que, aparentemente leva uma vida comum, mas, na verdade, tem uma vida de intensas aventuras junto com  os amigos “Ham-Ham”, que ele encontra em suas explorações na vizinhança. Laura, como em qualquer serie,  nem sequer suspeita do que seu bichinho faz enquanto ela não está por perto. O melhor amigo de Hamtaro, depois de Laura, é Fofuxo,  o hamster da melhor amiga de Laura, chamada Ana. O clube do Hamtaro é formado por: Hamtaro (logico), Bijou, Fofuxo, Chefe, Pachimina, Penélope, Jojô, João, Aurélio, Panda, Soninho, Tureco, Mauricinho, Touquinha e Jingle. Um dos animes mais fofos que já assisti. Chega a ser viciante, assim como a musica da abertura ^^”
As Aventuras de Jackie Chan (de 2000 a 2005)
JACKIE CHAN

Era um desenho animado, inspirados nas aventuras ator de filmes de ação, Jackie Chan (mereço um prêmio pela constatação :D). O desenho fala das aventuras de um arqueólogo muito esperto e inteligente chamado Jackie Chan, especialista em artes marciais, que durante suas pesquisas descobre um escudo com um talismã, que representa os signos do zodíaco chinês. Cada um destes talismãs contém um poder específico. Descobre-se que eles estão espalhados pelo mundo e, caso reunidas, podem liberar uma força maligna, sendo assim, logo são alvos de uma organização criminosa. Logo, cabe a Jackie impedir que isso aconteça. E para isso, ele conta com a ajuda de seu tio, da seção 13, depois de um tempo recebe a ajuda de Tohru e involuntariamente, da sua sobrinha Jade.

Enfim, poderia falar sobre vários, no entanto, me falta tempo, e a você, vontade, de ler tudo isso. Com o tempo, todos vão aparecendo por aqui, de um jeito ou de outro. Ah, que fique claro, os animes, cujo ano de exibição estão marcados por um ‘*’, referem-se ao ano  em que as temporadas que eu assisti foram exibidas. Não ao real tempo de duração. Isso é o que tem para hoje. That’s all folks!

Beijos,

Maiara

Anúncios

Revirando o Baú: Desenhos

baú

Revirando novamente o baú da vovó, ‘achei’ alguns desenhos que, fizeram (e ainda fazem) parte da minha infância não tão distante. Certeza de que pelo menos uns três ou quatro vocês já assistiram, e, se bobear, ainda assistem. Fala sério. Tem momentos em que nada substitui aquele momento que você passa assistindo desenho. Uma pausa entre um capitulo e outro do livro. Depois de perder uma partida no videogame (logo após a comemoração ^^’). Quando chega da faculdade/trabalho. Enfim, 15 ou 30 min. deitada no sofá e assistindo algo mais útil que novela. Sim, aprendi muita coisa assistindo desenhos. Depois de musica e livros, é mais um vício meu. Sem mais, a lista segue não por importância, mas pela ‘idade’ mesmo. E, devo dizer, fui bem criada. Desenhos de todas e para todas as idades.

He-Man (de 1983 a 1985)

HE MAN

 

Esse é dez anos mais velho que eu, mas ainda assim eu assisti. Na verdade assisto. O personagem surgiu em 1982, numa linha de brinquedos. E o desenho animado surgiu um ano depois, como um veículo para divulgar os bonecos. He-Man é o herói de Etérnia e, ao lado do Gato Guerreiro, luta contra as forças do mal, lideradas pelo vilão Esqueleto. O legal nesse desenho é que, no final de cada episódio, He-Man deixa um conselho prático ou um ensinamento interessante. Ah, década de 80. Ainda não me conformo de não ter nascido nessa época

A Caverna do Dragão (de 1983 e 1986)

A CAVERNA DO DRAGÃO

 

Possivelmente o mais famoso na televisão brasileira. Baseado no RPG Dungeons & Dragons (nome original da série em inglês), trata da ida de jovens comuns a um mundo de fantasia medieval, onde recebem as instruções do Mestre dos Magos e buscam ao mesmo tempo derrotar o Vingador e encontrar o caminho de volta para casa, o que provavelmente todos os nossos leitores já sabem. O maior mistério da série é saber se eles voltam pra casa. Mas esse capítulo nunca foi escrito. Existem muitas versões pela internet. Um suposto réquiem. Mas nada confirmado. E, pra quem também é super fão da animação, boas notícias: ‘Caverna do Dragão’ voltará a ser exibido no Brasil. A partir de junho, no canal pago Gloob. Todo final de semana 😉

She-Ra (de 1985 a 1987)

SHE HA

She-ra, ou princesa Adora, é a irmã gêmea do He-man. Ela vive em Etéria porque foi roubada de seus pais, em Etérnia, por Hordak , o mentor de Esqueleto. Assim, antes de se tornar uma heroína, ela servia às forças do mal, à ditadura opressora de Hordak. Basicamente isso. Adoro quando ela se transforma. E, se no final de He-Man você recebe uma ‘mensagem’, no caso de She-Ra, você tem que encontrar o  Geninho.

Dragon Ball Z (de 1989 a 1996)

DRAGON BALL Z

 

Oi, eu sou o Goku! Quem nunca ouviu essa frase não teve uma infância feliz. E quem assistiu ao DBGT também não. Dragon Ball Z é a continuação de Dragon Ball, uns cinco anos após Goku ter derrotado Piccolo. Goku está mais velho e se casou com Chichi, como havia prometido no último Tenkaichi Budokai de Dragon Ball. Em Dragon Ball Z as histórias têm mais ação que humor. As lutas são emocionantes, e com bastante surpresa em cada uma delas. No Japão, ‘Dragon Ball Z: Battle of Gods’, o novo filme da saga, estreou há um mês.

Pokémon (de 1997 a 2002)

POKEMÓN

 

Desse assisti só até a 5ª temporada. Depois parou de fazer sentido. Pokemon faz parte da infância de muita gente, com diversos monstros animados onde sonhos eram reais… Era infantil, até um pouco tosco, porem diversas e diferentes idades assistiam, o anime cheio de fantasias até que resolveram avacalhar com tudo a ponto de criar uns Pokémons muito esquisitos e idiotas. Encerando a participação desse na minha vida u.u. Mas, mesmo com o anime ruim do jeito que está, duvido que ninguém conheça o Pikachú.

Bom, pra não ficar muito extenso, vou dividir o post em duas partes. Logo logo posto o outros desenhos que mudaram a vida de muitas pessoas, além da minha 😀

Beijos,

Maiara

 

Revirando o Baú: Filmes

baú Começar uma nova sessão é sempre u pouco difícil, ou sou só eu quem acho? Enfim, dessa vez, é para relembrar livros, filmes, musicas e outras coisas que se perderam no tempo, mas que independente da época em que “viveram”, continuam bons, ou não. Vai saber!

E para inaugurar esse ‘quadro’, decidi começar com alguns filmes que foram e ainda são um sucesso, seja pela temática, história ou pelos personagens super… fofos, cativantes e etc. Impossível ninguém ter visto nenhum desses filmes e mais impossível ainda é não gostar.

Pra começar, vamos de Beetlejuice  ou ‘Os fantasmas se divertem‘. Lançado no final da década de 80 e ainda assim, todos cantam Banana Boat Song (Day-O) na hora do jantar e dançam no final ao som de Jump in the line (Shake Señora). Adoooro! Quem não se recorda da cena do encolhimento de cabeça? Ou de quantas vezes Beetlejuice tentou fazer com que seu nome fosse dito por três vezes, alias quem nunca disse “Besouro suco! Besouro suco! Besouro suco!” ? Os Fantasmas se Divertem é um filme para qualquer ocasião, pelo menos eu assisto sempre que posso. Além de ter a direção de Tim Burton (amo), é uma comédia com um toque de humor negro.

(Besouro Suco)³

(Besouro Suco)³

Elvira, a rainha das trevas, o clássico dos Trashs. Cresci assistindo esse filme, e sim, já quis ser ela quando crescesse. Shame on me! Elvira tem um programa de baixo orçamento sobre filmes de terror e que não faz muito sucesso, mas tudo muda quando ela herda de sua tia Morgana uma velha mansão em Fallwell, uma cidadezinha com apenas 1313 habitantes. Tenso. Daí pra frente ela tenta vender a casa, se apaixona pelo bonitão da cidade, se descobre uma bruxa, se envolve em uma confusão com seu tio Vincent e no final, consegue o que quer. Coisas típicas, mas nem por isso o filme perde o charme, a graça, o humor e o horror. Amo aquele cachorrinho dela, coisa catita! Sem contar a cena em que ela está na cozinha fazendo um jabá basico. Eca! Mas a melhor parte do filme é no final, na polêmica cena dos seios dançantes. LOL.

Que Poodle fofo *_*

Que Poodle fofo *_*

Edward, mão de tesoura, assim como Pinóquio teve um criador, um inventor. Porém, o inventor morreu antes de termina-lo, deixando a criação com tesouras no lugar das mãos, pois no momento em que elas serias trocadas por mão de verdade, o ‘bom velhinho’ morre. O filme meio que começa pelo final, com a Kim, no momento avó, contanto a sua neta como é a neve. Antes de Edward, não nevava no entanto, depois de sua presença, sim. O motivo era que Edward, depois de se apaixonar por Kim e ter que fugir da vila para não ser morto, começou a esculpir figuras de sua amada no gelo. Na verdade não era neve, apenas flocos de gelo. É tipo neve! Que fofo! Depois desenrola toda a história, que foi um sucesso, assim como em todas as parcerias entre Johnny Depp e Tim Burton. Perfeito.

Que casal meigo >.<

Que casal meigo >.<

A família Addams, a melhor família, na minha opinião. Começou com um uma série entre 1964 e 1966.  A história é sobre uma família fora do padrão, com hábitos mórbidos, mas que se, eu pudesse escolher, teria nascido nessa família. Com personagens marcantes como o Gomez Addams, quem não quer um marido tão apaixonado quanto? E a Vandinha (Wednesday), meu reino pelo seu sadismo; Mas a minha preferida é Mortícia Addams e seu belíssimo pretinho básico. Os outros personagens também são cativantes, mas esses são meus favoritos. E a mão, é claro. Mais um na linha de humor negro e mórbido. Mas como não amar?

The Addams Family ♫

The Addams Family ♫

A lenda do cavaleiro sem cabeça, baseado em um livro (juro que não sabia), conta a lenda de um cavaleiro decapitado que na busca incessante pelo próprio cranio, degola outras pessoas sob comando, como se fosse um feitiço que o obrigasse a faze-lo, de quem portasse sua cabeça. Mata quase todo o elenco do filme e no final, ele recobra a própria. Pra você ver que nem todo mundo tem a cabeça no lugar :P. Tá, parei! Ichabod Crane é um professor excêntrico e cético mas ao mesmo tempo medroso. o.O” A jovem Katrina Van Tassel parece uma das personagens de José de Alencar e o Cavaleiro sem cabeça parece demais com o Tony Ramos. Só eu que acho? Enfim, muito bom e envolvente o filme. Perfeito para uma tarde chuvosa e preguiçosa.

A cara no Tony Ramos

A cara no Tony Ramos

Enfim, acho que dentro desse baú deve ter até dinossauros, de tanta coisa. Mas não acabou, ainda tem mais, só que hoje não. Esse foram alguns dos filmes que marcaram minha infância, adolescência, minha vida. E eu assisto quase que de vez em sempre. São ótimos para um dia chuvoso, uma tarde de preguiça, ou quando junta com a família pra assistir algo que não seja Faustão, dança gatinho ou qualquer outro programa tipico de final de semana. Blergh!
Adoro filmes nessa linha de humor com horror, e você?

Beijos,

Maiara