Campanha O meu site é neutro em CO2

Sabia que um blog, o seu blog, produz aproximadamente 3,6 kg de CO2 por ano?

Essa informação é apenas uma daquelas que eu iria morrer sem saber. Juro! Mas agora, é um blog a menos produzindo tudo isso. Com essa postagem, mais uma árvore será plantada, ajudando a diminuir as emissões de CO2.

Ao participar da campanha “Meu blog é neutro em CO2,” você estará contribuindo para aliviar os impactos das mudanças climáticas, já que uma árvore é capaz de neutralizar as emissões de CO2 do seu blog. Faça a sua parte!

button_co2_blog_verde_125_transparente

Em parceria com a  empresa Gesto verde, a cada blog que participa e divulga essa campanha, uma árvore é plantada. Muito bom não é? Um dos assuntos que sempre gostei de conversar e me informar, é sobre o futuro do nosso planeta Terra. Nossa Mãe. Poxa, quantas arvores são “retiradas” por dia? E o que realmente fazemos para, pelo menos tentar, mudar essa realidade? Não só em relação ao desmatamento, mas também da devastação planetária. Sim, é claro que há pessoas com bom coração e consciência cuidando da natureza, que é tudo o que realmente temos. Mas quantas são as pessoas que estão destruindo, talvez, até mesmo por não fazer nada? Não basta você cobrar do mundo e não fazer a sua parte! Uma causa nobre. E vale a pena.

Uma árvore neutraliza as emissões de CO2 do seu blog
Como mostra a declaração acima, o plantio de uma árvore absorve uma média média de 5 kg de CO2 lançados na atmosfera por ano. Um blog normal emite anualmente cerca de 3,6 kg de CO2. Uma árvore é, então, capaz de neutralizar as emissões de CO2 de um blog. Já que uma árvore vive cerca de 50 anos, as emissões de CO2 do seu blog são totalmente neutralizadas durante este período.

Como as árvores são plantadas?
As árvores são plantadas na Floresta Guiato, em Apucarana, Paraná, em parceria com o Instituto Brasileiro de Florestas (IBF).

A sua ação virtual de neutralizar as emissões de CO2 do seu blog representa um gesto real na direção certa. A preservação ao meio ambiente é uma atitude não só necessária, mas também possível – e sem muito esforço.

 Faça parte você também 😉

Beijos,

Maiara

Radovan Ivsic

Passamos tanto tempo sendo soterrados de noticias como morte, roubo corrupção, terrorismo e outras coisas do tipo que ler ou assistir jornal acaba sendo uma coisa meio que massante e repetitiva de se fazer. As vezes, as mesmas noticias em todos os canais por vários dias. Não rola.

Mas, como é bom ficar sempre informada sobre as tragedias do mundo, a pessoa aqui na inocência começa a folhear o F. São Paulo dias atras, sem grandes pretensões, e se depara com uma pagina inteira dedicada a um autor croata chamado Radovan Ivsic (como se fala isso?). Tem alguns poemas e falando um pouco sobre ele. Nada muito complexo ou detalhado, mas já deu pra tirar um pouco o foco de tragedias, porque né?!

radovan ivsic

Enfim, Radovan Ivsic (1921-2009) é considerado um dos expoentes do modernismo em seu país natal. Dramaturgo censurado tanto pelos invasores nazistas como pelo regime comunista subsequente, em 1954 foi obrigado a emigrar para Paris, onde passou a frequentar um grupo de surrealistas reunido em torno de André Breton e Benjamin Péret, experiência determinante para assegurar seu lugar também na poesia francesa. Sua “Poesia Reunida”, traduzida por Eclair Antonio Almeida Filho e apresentada por Fernando Paixão, será lançada pela editora Lumme em 25/5, na Casa das Rosas, em São Paulo, com a presença de sua viúva, a crítica literária francesa Annie Le Brun.
Segue abaixo um de seus poemas. Lindos.

De tudo que sei
E que sei que sabes
De tudo que vejo
E que sei que tu vês
De tudo que ouço
Quando escuto teu coração
De tudo que me dizes
E que tanto amo
De tudo que se passa
Quando fechas os olhos
De todos os sonhos
De todas as estrelas
De todas as nuvens
De tudo isso sabes
O que me alegra ainda mais?

De tudo isso o que me alegra ainda mais
É que sei que sabes
Porque tu sabes e eu sei também
Tu sabes que me amas
E eu sei que te amo.

Créditos da postagem: Folha de São Paulo

Como fazer um filme de amor

filme brasileiro

Poucos dias atrés estava zapeando pela TV,  num misto de insônia e procrastinação, procurando algo decente pra assistir depois da meia-noite. Depois de muitos documentários repetidos e séries, que de tão modinha, ficaram chatas de assistir, reconheci a Denise Fraga em uma praia deserta com Cássio Gabus Mendes.

Pensei que fosse algo do tipo Retrato Falado e parei pra assistir. Acabou prendendo a minha atenção. Confesso que não sou muito fã do cinema brasileiro. Talvez por um pouco de preconceito, admito, mas o motivo maior de eu não gostar, é porque tenho preferencias por Terror/Suspense e (até onde sei) não temos filmes assim. Ou não são como os que eu gosto.

Como fazer um filme de amor é uma comédia romântica de 2004. O primeiro longa de José Roberto Torero. O filme mostra exatamente  como fazer um filme de amor. Tem todos os clichês comuns a todos os filmes românticos ou de gêneros parecidos: a mocinha, o mocinho, o vilão e a rival. Nada diferente. A história conta também com um narrador (Paulo José) vai apontando todos os clichês, truques e golpes baixos necessários para fazer um filme de amor.

Premiado no  Festival de Belém do Cinema Brasileiro de 2004 como melhor roteiro e melhor fotografia e no Festival do Audiovisual em Recife, também em 2004, como melhor roteiro.

Segue ai o Trailer, pra você dar uma conferida no que eu estou falando. É bom mesmo!

Beijos,

Maiara